14jul

A respeito da nota “Nova profissão” – Joaquim Ferreira dos Santos em 14/7/2011 no Segundo Caderno, O Globo.

Caro colunista Joaquim Ferreira dos Santos,

A respeito da sua nota “Nova profissão” no Segundo Caderno de O Globo de hoje, 14 de julho de 2011, cabe informar que:

Apesar da tarefa de amamentar filhos existir há milênios, como colocado por você, não se trata de um sabedoria inata ao ser humano. As mulheres possuem o “equipamento” necessário e os bebês tem a capacidade de sugar, mas amamentar, como tantas coisas na vida desta dupla, é a resposta a um aprendizado que ocorre após o nascimento. Com o advento das fórmulas artificiais e o marketing agressivo da indústria alimentícia e farmacêutica, tivemos nada menos do que duas gerações de mulheres que criaram seus filhos sem a cultura da amamentação e, portanto, hoje sofremos as consequências. Jovens mães que pouco tiveram contato com a simples visão de um bebê sendo amamentado, tem dificuldades em exercer uma função que um dia foi considerada natural. Além disso, a grande proporção que tomaram as cirurgias de reconstrução mamária, bem como as cesáreas eletivas, trouxeram à tona um grande grupo de mulheres mais sucetíveis às dificuldades naturais dos primeiros dias de amamentação.

No Brasil, somos especificamente privilegiados pois contamos com uma rede de mais de 200 Bancos de leite Humano espalhados pelo país que, além de oferecer serviços às comunidades carentes, também oferecem – GRATUITAMENTE – orientação sobre amamentação à qualquer mulher que ali se dirige em busca do serviço, sem a necessidade de marcação de consulta prévia.

Ocorre que, existem famílias com maiores possibilidades financeiras que preferem receber este serviço no conforto de sua residência, nada mais justo levando-se em conta de que esta mulher muitas vezes acabou de passar por uma cirurgia de alto porte e tem em mãos um recém-nascido. Para isto, surgiu o serviço de atendimento à amamentação em domicílio, ironicamente chamado em sua nota de “Personal Peito”. Somos psicólogas, enfermeiras, fonoaudiólogas e pediatras que investimos nosso tempo e dinheiro em uma formação específica de manejo clínico de amamentação que pudesse trazer um suporte individual a um sofrimento tão comum e pouco falado na mídia: os problemas de início e manutenção da amamentação.

As campanhas do Ministério da Saúde apoiando a amamentação até os 2 anos de idade, cerceando o marketing agressivo das indústrias de alimentos e bicos artificiais, bem como o trabalho dos Hospitais Públicos Amigos da Criança são um benefício muito importante para o reestabelecimento da cultura da amamentação em nossa sociedade. Mas não podemos esquecer das classes mais favorecidas, estas que tem acesso fácil à mão de obra para ajudar com o bebê, podem pagar os preços pelas fórmulas mais caras e bicos importados, no entanto, estão em busca de apoio e informação para dar o melhor aos seus filhos: leite materno.

Atenciosamente,

Bianca Balassiano Najm

Psicóloga e Consultora em Amamentação

CRP 05/40257

http://www.possoamamentar.com.br

17jun

Encontro Ishtar Rio de Janeiro – Amamentação

O próximo encontro do Ishtar Rio será no dia 19/06/2011, domingo, às 10hs com o tema “Amamentação – Desvendando Mitos e Enfrentando Dificuldades”  e contará com a minha presença.

O objetivo deste encontro é desvendar mitos e falar das dificuldades mais comuns no estabelecimento da amamentação. Traga suas dúvidas! Este encontro é destinado às gestantes e a mulheres que já tiveram seus bebês e que podem receber ajuda ou ajudar outras mulheres.
Também haverá a tradicional RODA DE LIVROS. Traga os livros que você pegou emprestado e traga outros para trocar!

Estamos esperando por você! Leve seu marido e um lanchinho!

Não perca!!! DIVULGUE!

*Relembrando*
Quando: 19 de junho de 2011 – DOMINGO de 10h às 12h
Tema: Amamentação – Desvendando Mitos e Enfrentando Dificuldades
Onde: Rua Cinco de Julho 94 – Entre a Santa Clara e Raimundo Correa. Play.
Cidade: Rio de Janeiro – RJ
Não perca!!! DIVULGUE!

Confirme sua participação através do e-mail: ishtar.rio@gmail.com
BLOG: http://ishtar-rio.blogspot.com/

AVISOS!
* Agora o Ishtar conta com um grupo de discussão na internet onde podemos trocar mensagens entre as participantes dos seis Ishtar pelo Brasil (Pará, Ceará, Pernambuco, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro). Você recebeu o convite? Não? Então entre em contato e enviaremos! Caso já tenha recebido, está esperando o que para entrar e se apresentar?! Estamos sentindo sua falta!
http://groups.google.com.br/group/ishtarbrasil

15jun

Revista Breastfeeding Today – número 7

Já está disponível a nova edição da Revista Breastfeeding Today, publicação da La Leche League International. Se você lê em inglês, não perca, as matérias são ótimas!

 

10jun

Mamaço Nacional no Rio de Janeiro – data modificada

Agora sim, com previsão de sol, teremos nosso mamaço carioca! Sintam-se todos então convidadíssimos para um delicioso encontro neste domingo, dia 12/6, a partir das 10h no Chafariz do Parque Lage. Se você amamenta, não amamenta mais, nunca amamentou ou ainda pretende amamentar, mas acredita que deve haver liberdade para que o bebê mame em qualquer lugar, sua presença é muito bem vinda! Sugerimos às mães que tragam fotos dos seus bebês sendo amamentados para um lindo varal que será montado.

A programação está aqui!

Nos vemos lá!

 

24maio

Mamaço nacional no Rio de Janeiro

Chegou a oportunidade das mamães cariocas defenderem seu direito de amamentar em público! Eu ainda estava de férias no dia do histórico mamaço em São Paulo, mas abri um sorriso enorme de satisfação ao ver a linda imagem do evento ilustrando a primeira página de um dos principais jornais do país. Por que é tão importante amamentar em público? Primeiro, porque é um direito do bebê ser alimentado na hora que deseja e porque é um direito da mãe alimentar seu filho da maneira como quer, onde e quando julgar necessário. E segundo porque uma cultura de amamentação não se cria em guetos! É preciso que as crianças de hoje vejam os bebês sendo amamentados e que possam julgar esta ação como um ato corriqueiro em nossas rotinas… essas experiências ficam registradas e, com sorte, teremos uma próxima geração que veja a amamentação com bons olhos, como um ato natural, fisiológico, parte da rotina de todo bebê. Para desmistificar a amamentação é preciso que ela seja vista, falada, discutida. Se as mulheres saem às ruas, elas se encontram e, mais do que botar seus peitos pra fora, colocam-se como cidadãs, cujos direitos precisam ser respeitados. Por essas e outras razões, dou a maior força para que as mamães e suas gloriosas tetas saiam e ocupem os espaços públicos!

Blog da Maribel Barreto, organizadora do evento, com todo o serviço: Um Blog de Mãe

Quando? Dia 5 de Junho

Onde? Parque Lage – Jardim Botânico, Rio de Janeiro

Que horas? 10 da manhã

E aqui você pode ver as outras manifestações Brasil afora.

18maio

Dia Mundial de Doação de Leite Materno – 19 de maio

Estamos de volta!

E nada melhor do que celebrar um ato tão nobre como a doação de leite materno, não?

A partir do ano que vem, a data será celebrada no dia 19 de maio como em todos os lugares do mundo, porém este ano as celebrações já começaram. É essencial que todas as mulheres que amamentam entendam a importância de doar a produção excedente: esse leite será ofertado aos prematuros internados, aos bebês cujas mães são portadoras e HIV e outros vírus que impedem a amamentação e a todos aqueles que pelos mais diversos infortúnios, não tiveram a grata satisfação de mamar ao seio de suas mães.

Muitas mães tem medo de doar leite e não ter o suficiente para seus próprios bebês. Pois fique atenta: essa possibilidade não existe! Quando mais você estimula sua produção, mais leite você terá. Portanto, sempre que possível, reserve um tempinho para esta nobre arte. Os bebês internados agradecem!

Abaixo, coloco alguns links onde vocês podem obter informações práticas sobre a ordenha, armazenamento e como doar o leite excedente. Caso tenham dúvidas, por favor entrem em contato através dos comentários ou email, terei o maior prazer em responder.

A instituição responsável pela coleta de leite materno doado é o Banco de Leite Humano. Para encontrar o Banco de Leite Humano mais próximo de você, entre aqui.

Para mais informações sobre ordenha, armazenamento e doação, entre aquiaqui.

 

20abr

Férias!

Queridos amigos e visitantes,

Chegou aquela época do ano em que nos damos ao luxo de deixar as atividades profissionais um pouco de lado para curtir a família, passear e renovar as energias. Neste período estarei viajando e, portanto, impossibilitada de fazer atendimentos. Em casos de urgência, deixo aqui os contatos de grandes profissionais (Rio de Janeiro e Niterói), pessoas em cujo trabalho confio e me espelho:

Flavia Bessa – 8114-0749

Fabíola Costa – 9899-4885

Aline Sudo – 9807-4442

Outra possibilidade são os Bancos de Leite Humano, que sempre oferecem serviço de aconselhamento para mães que amamentam ou que estão com dificuldades. Procure o mais próximo da sua residência neste link.

Meus atendimentos serão retomados a partir do dia 16 de maio.

Desejo a todos uma Feliz Páscoa ou um Feliz Pessach!

 

19abr

Livro recomendado: “Socorro, eu não sei AMAMENTAR!”, de Grasielly Mariano

Sabe aqueles livros que a gente nem leu ainda e já recomenda? Pois este é mais um destes casos. A enfermeira Grasielly Mariano reuniu sua experiência enquanto enfermeira, consultora em amamentação e mãe e nos presenteou com mais uma publicação direcionada às mães que buscam o sucesso na amamentação.

Vejam o release:

Amamentar não é instintivo? Definitivamente, NÃO! Mamães aprendem amamentar, amamentando… E bebês aprendem a mamar, mamando. Entretanto, esse relacionamento nem sempre tem início tranquilo, o que leva muitas famílias ao desespero. Ter dificuldade para amamentar torna tudo muito urgente, pois os sintomas da mãe ou do bebê desestabilizam a harmonia familiar, deixando os membros muito tensos e dispostos a encontrar qualquer solução mais fácil e rápida – nem que seja oferecer a tão temida fórmula infantil na tentativa de conseguir tranquilidade, aliviar dores, dormir e ter uma falsa sensação de que está tudo bem… Pelo menos pelas próximas duas horas. Um crime!

Um livro-guia escrito por uma enfermeira, consultora em aleitamento materno, mãe de duas crianças, que compartilha suas experiências pessoais e profissionais para ajudar as mais novas nutrizes a amamentarem seus bebês. Escrito em 25 capítulos, o livro traz orientações sobre como proceder se a mamãe for surpreendida pelas fissuras e rachaduras, mastites, bloqueio de ductos, se ela tiver feito mamoplastia, se quiser se preparar para o retorno ao trabalho, se ela tiver uma doença, entre outros tantos assuntos de extremo valor para a família toda, fundamentado na ciência e nas experiências profissionais.

Nunca escondi, e até me sinto orgulhosa de dizer, que me tornei consultora porque me comovi com as minhas próprias frustrações, porque sonhei enlouquecidamente com minha filha mamando até que ela mesma quisesse parar, e tudo parecia jogar contra. Passei inúmeras noites acordada tentando ajudar a mim mesma, chorei, pedi ajuda, ouvia todos os conselhos de “anjinhos” e “diabinhos”, até que finalmente encontrei, de uma forma que eu não imaginava, o tão sonhado “Prazer em Amamentar”.

Grasielly Mariano é enfermeira, consultora em aleitamento materno por três instituições insternacionais, membro pesquisador do Núcleo de Ensino e Pesquisa em Aleitamento Materno da Escola de Enfermagem da USP. Já escreveu muitos artigos científicos na área, os quais foram publicados e apresentados no Brasil e no exterior. Ainda, realiza pesquisas no Canadá e Portugal sobre a temática da amamentação e relactação.

Editora Lexia

Lançamento: Maio – 2011 em São Paulo

Informações: livro@lactare.com

Site: http://socorroeunaoseiamamentar.wordpress.com/

 

13abr

Carta aberta às mães e pais (BLOGAGEM COLETIVA)

CARTA ABERTA ÀS MÃES E PAIS:

Que futuro terão nossos filhos?

Aproveitamos o sentimento de indignação e tristeza que nos abalou nos últimos dias para convoca-los para uma mobilização pelo futuro das nossas crianças. A tragédia absurda ocorrida na escola em Realengo (Rio de Janeiro) é resultado de uma estrutura complexa que tem regido nossa vida em sociedade. O problema vai muito além de um sujeito qualquer decidir invadir uma escola e atirar em crianças. Armas não nascem em árvores.

A coisa está feia: choramos por essas crianças, mas não podemos nos deixar abater pelo medo, nem nos submeter aos valores deturpados que têm regido nossa sociedade propiciando esse tipo de crime. Não vamos apenas chorar e reclamar: vamos assumir nossa responsabilidade, refletir, trocar ideias e compartilhar planos de ação por um futuro melhor. Então, mães e pais, como realizar uma revolução que seja capaz de mudar esses valores sociais inadequados?

Vamos agir, fazer barulho, promover mudanças! Acreditamos na mudança a longo prazo. Precisamos começar a investir nas novas gerações: a esperança está na infância. Vamos fazer nossa parte: ensinar nossos filhos pra que façam a deles.

Se desejamos alcançar uma paz real no mundo, temos de começar pelas crianças. Gandhi

O que estamos fazendo com a infância de nossas crianças?

Com frequência pais e mães passam o dia longe dos filhos porque precisam trabalhar para manter a dinâmica do consumo desenfreado. Terceirizam os cuidados e a educação deles a pessoas cujos valores pessoais pensam conhecer e que não são os valores familiares. Acabamos dedicando pouco tempo de qualidade, quando eles mais precisam da convivência familiar. Assim, como é possível orientar, entender, detectar e reverter tanta influência externa a que estão expostos na nossa longa ausência? Estamos educando ou estamos nos enganando?

O que vemos hoje são crianças massacradas e hiperestimuladas a serem adultos competitivos desde a pré-escola. Estão constantemente expostos à padronização, competição, preconceito, discriminação, humilhação, bullying, violência, erotização precoce, consumo desenfreado, culto ao corpo, etc.

O estímulo ao consumo desenfreado é uma das maiores causas da insatisfação compulsiva de nossa sociedade e de tantos casos de depressão e episódios de violência. Daí o desejo de consumo ser a maior causa de crime entre jovens. O ter superou o ser. Isso porque a aparência é mais importante do que o caráter. Precisamos ensinar nossos filhos que a felicidade não está no que possuímos, mas no que somos. Afinal, somos o exemplo e eles repetem tudo o que fazemos e o modo como nos comportamos. E o que ensinamos a nossos filhos sobre o consumo? Como nos comportamos como consumidores? Onde levamos nossos filhos para passear com mais frequência? Em shoppings?

Quanto tempo nossos filhos passam na frente da TV? 10 desenhos por dia são 5 horas em frente à TV sentados, sem se movimentar, sem se exercitar, sendo bombardeados por mensagens nem sempre educativas e por publicidade mentirosa que incentiva o consumo desde cedo, inclusive de alimentos nada saudáveis. Mais tempo do que passam na escola ou mesmo conosco que somos seus pais!

Porque os brinquedos voltados para os meninos são geralmente incentivadores do comportamento violento como armas, guerras, monstros, luta? A masculinidade devia ser representada pela violência? Será que isso não contribui para a banalização da violência desde a infância? Quando o atirador entrou na escola com armas em punho, as crianças acharam que ele estava brincando.

Nós cidadãos precisamos apoiar ações em que acreditamos e cobrar do Estado sua implementação, como o controle de armas, segurança nas escolas, mudança na legislação penal, etc. Mas acima de qualquer coisa precisamos de pessoas melhores. Isso inclui educação formal e apoio emocional desde a infância. É hora de pensar nos filhos que queremos deixar para o mundo, para que eles possam começar a vida fazendo seu melhor. Criança precisa brincar para se desenvolver de forma sadia. É na brincadeira que elas se descobrem como indivíduos e aprendem a se relacionar com o mundo.

Nós pais precisamos dedicar mais tempo de convivência com nossos filhos e estar atentos aos sinais que mostram se estão indo bem ou não. Colocamos os filhos no mundo e somos responsáveis por eles! Eles precisam se sentir amados e amparados. Vamos orientá-los para que eles sejam médicos por amor não por status, que sejam políticos para melhorar a sociedade não por poder, funcionários públicos por competência e não pela estabilidade, juízes justos, advogados e jornalistas comprometidos com a verdade e a ética, enfim!

Precisamos cobrar mais responsabilidade das escolas que precisam se preocupar mais em educar de verdade e para um futuro de paz. Chega de escolas que tratam alunos como clientes.

Não temos mais tempo a perder. Ou todos nós, cedo ou tarde, faremos parte da estatística da violência. Convidamos todos a começar hoje. Sabemos que não é fácil. E alguma coisa nessa vida é? Vamos olhar com mais atenção para nossos filhos, vamos ser pais mais presentes, vamos cobrar mais da sociedade que nos ajude a preparar crianças melhores para um mundo melhor! Nossa proposta aqui é de união e ação para promover uma verdadeira mudança social. A mudança do medo para o AMOR, do individualismo para a FRATERNIDADE e para a EMPATIA, da violência para a GENTILEZA e a PAZ.

 

Ana Cláudia Bessa www.futurodopresente.com.br

Cristiane Iannacconi www.ciclicca.blogspot.com

Letícia Dawahri www.sorrisosdaalma.blogspot.com

Luciana Ivanike www.lucianaivanike.blogspot.com

Monique Futscher www.mimirabolantes.blogspot.com

Renata Matteoni www.rematteoni.wordpress.com

 

12abr

Lançamento do livro “Parto com amor”

Quem conhece meu trabalho e frequenta meu site sabe da importância que dou ao parto como processo chave para início de uma amamentação bem sucedida. Acredito fielmente que a humanização no atendimento à gestante e ao bebê podem ser o ponto de partida para um relacionamento bem sucedido e uma ótima experiência de amamentação. Na minha opinião, o protagonismo da mulher se resgata durante a gestação e culmina durante o processo do parto e amamentação, pois estes são a representação física de uma conjunção de fatores emocionais e sensoriais que elaboramos durante toda uma vida.

Com essa introdução, gostaria de recomendar um livro cujo lançamento acontece esta semana em SP e, acredito em breve, em todo o país. Trata-se do livro “Parto com amor“, de Luciana Benatti e Marcelo Min, idealizadores de um site que curto muito, o Parto com prazer. O livro traz os relatos de partos humanizados vividos por 9 mulheres em variadas circunstâncias,  e suas trajetórias para conquistá-los. As histórias contam ainda com lindas fotos feitas pelos autores, de momentos do trabalho de parto e nascimento.

Se você está gestando, não deixe de ler este e outros livros com relatos de experiências bem sucedidas – tanto no parto quanto na amamentação. A preparação psicológica é de extrema valia neste momento tão delicado e particularmente recheado de dúvidas. Sabemos o quanto as pessoas gostam de barbarizar, reproduzindo no boca a boca estórias horripilantes de parto que muitas vezes são fruto de uma imaginação fértil e sem muito compromisso com a realidade. Que tal ouvir de mulheres reais suas lindas experiências transformadoras e como foi a trajetória de acesso a elas?

Livro: Parto com amor, de Luciana Benatti e Marcelo Min

Editora: Panda Books

228 páginas, preço médio: R$ 56,90.

Por enquanto, à venda no site da editora. Em breve, nas principais livrarias do país.