20mar

Abaixo assinado contra o fim do curso de Obstetrícia da USP

Gostaria de convocar a todos os leitores deste blog para que assinem o abaixo-assinado contra o fim do curso de Obstetrícia da USP. É um absurdo que, ainda em 2011, a classe médica seja capaz de tão forte pressão quando já vemos comprovado que uma gestação de baixo-risco não só pode, como deve ser acompanhada por parteira ou enfermeira-obstetra. Este blog está obviamente solidário à causa, uma vez que sabemos que a amamentação tem início já na sala de parto, na humanização do atendimento e no respeito ao protagonismo da mulher. Assinem e divulguem!

A notícia está aqui: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/usp+leste+pode+fechar+mais+de+300+vagas/n1238177421365.html

Grupo de apoio no Facebook: https://www.facebook.com/home.php?sk=group_149118918485370&ref=notif&notif_t=group_added_to_group

Abaixo-assinado:  http://www.abaixoassinado.org/assinaturas/assinar/8452

Carta dos alunos de Obstetrícia à sociedade: http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/a-carta-dos-alunos-de-obstetricia.html

 

Assine nossa newsletter!

Inscreva-se para receber novidades por email!

Compartilhe!

Comments

  1. Viviane Maia says:

    Tive uma gravidez tranquila, sem riscos e meu parto foi normal e amamentei minha filha nos seus primeiros segundos de vida (e ela mama até hoje com um ano e um mês). E eu estava em um centro cirúrgico, acompanhada de dois obstetras, anestesista, pediatra, enfermeiras…
    Não recrimino quem quer fazer o parto em casa, com parteiras e enfermeiras… Mas acredito que a questão está principalmente no comodismo da mãe em não querer sentir dor. Eu não tinha certeza, mas imaginava o que me esperava… Ainda assim quis que fosse normal e enfrentei as minhas muitas horas de trabalho de parto, pq sabia que, a princípio, seria melhor para mim e para minha filha.

  2. Concordo totalmente com o comentário da Viviane. Embora eu seja totalmente contra essa cultura de cesarianas pelo conforto, ainda não entendi porque uma obstretiz é a melhor pessoa para fazer esse parto. E tbm não entendi porque não uma enfermeira obstetra, assistida por um médico.
    Fico só pensando numa situação em que o parto é aparentemente sem risco, mas complica na hora “H”. Como se resolve uma situação dessas? Eu prefiro estar com um médico.
    Sou mais favorável a um trabalho forte de incentivo de parto normal com médicos, de preparo das enfermeiras obstetras e de concientização das mães.

  3. Daniella Benittez says:

    A obstetriz e a enfermeira obstetra podem realizar o parto normal, desde que seja uma gestação de baixo risco. Sendo assim, não há necessidade de um médico, visto que 80% das gestações são de baixo risco e as 20% restantes são acompanhadas por médicos que são os profissionais preparados para atuar nesse caso.A questão no Brasil é que a assistência obstétrica é muito intervencionista e nós (obstetrizes) acreditamos que o parto é um evento fisiológico e que o nascimento pode ocorrer da forma mais natural possível, mas isso ainda é uma questão cultural e que fora do Brasil já está bem estabelecida.

Trackbacks

  1. Mãe Natural disse:

    […] retirado do Blog “Posso Amamentar“, mas tão bem resumido que reproduzo abaixo e acrescento alguns […]

Speak Your Mind

*